Página inicial > Ciranda Mundi > Israel tenta deportar jornalista palestino apátrida e ele é barrado pela (...)

Israel tenta deportar jornalista palestino apátrida e ele é barrado pela Jordania

terça-feira 23 de julho de 2019, por MEMO - Monitor do Oriente Médio, MEMO - Monitor do Oriente Médio

Todas as versões desta matéria: [English] [Português do Brasil]

Por cerca de 20 anos, Haruf teve sua autorização de residência em Jerusalém renovada periodicamente. Mas Israel rejeitou o pedido de Haruf para unificação familiar com sua esposa e sua filha de dois anos de idade

Foto: Jornalista Mustafa Al-Haruf [Twitter]

Um jornalista palestino apátrida foi duas vezes impedido de entrar na Jordânia na noite de domingo (21), enquanto as autoridades israelenses tentavam deportá-lo, informou o Haaretz.

Mustafa Al-Haruf nasceu na Argélia, mas vive com a família em Jerusalém Oriental ocupada desde os 12 anos. Por cerca de 20 anos, Haruf teve sua autorização de residência em Jerusalém renovada periodicamente.

Mas o Ministério do Interior de Israel "rejeitou o requerimento de Haruf para petição de unificação familiar com sua esposa e sua filha de dois anos de idade - sua esposa é de Jerusalém Oriental, e ela e seu filho têm status de residência israelense permanente".

Haruf foi preso em janeiro por “residir ilegalmente em Israel” e foi detido sem acusação ou julgamento desde então.

Durante o domingo, autoridades israelenses tentaram deportá-lo para a Jordânia em duas passagens diferentes da fronteira, mas as autoridades jordanianas recusaram sua entrada. Haruf foi devolvido à detenção israelense.

Haruf já esgotou vários canais legais e recursos, inclusive na Suprema Corte de Israel, onde o juiz Neal Hendel "decidiu na quinta-feira que cabe a Haruf e seu advogado o ônus de provar que ele não tem direito de residência ou cidadania na Jordânia ou em qualquer outro lugar".

De acordo com o advogado da Haruf, Adi Lustigman, “o único documento de viagem da Haruf é um salvo conduto que não permite a residência na Jordânia ou em qualquer outro país”.

Lustigman disse à Arab News que as ações israelenses eram "ilegais e imorais".


Ver online : Middle East Monitor