Página inicial > BRASIL > Dia 204º/365 - Ópera dos Abutres

Dia 204º/365 - Ópera dos Abutres

terça-feira 23 de julho de 2019, por Fátima Froes,

Golpe na Ancine, Glauber Rocha e cerimônia com tapumes

PNG - 44.9 KB

- Se entrega, Corisco!
- Eu não me entrego, não!
Eu não sou passarinho
Pra viver lá na prisão
- Se entrega, Corisco!

1. Hoje o momento nos faz lembrar a trilha sonora do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha. Após dar um golpe fatal na Ancine e no cinema nacional a trupe que se elegeu para destruir o Brasil chega ao sertão, para inaugurar um aeroporto que leva o nome do cineasta.

2. O disfuncional síndico, capitão aposentado, vem à Bahia. Depois de desqualificar todos (estamos falando de todos) os nordestinos, tenta sequestrar um aeroporto para chamar de seu. Não contratou, não repassou um único centavo para a construção, mas vem lançar mão do resultado do trabalho alheio, vem sequestrar a cena da inauguração do aeroporto em Vitória da Conquista, cidade em que o cineasta nasceu.

3. O síndico e os penduricalhos veem encenar uma farsa. A meta é produzir imagens e notícias, porque é um motocontínuo em constante campanha. Não governa, não planeja, não investe. Um extrativista no planalto, que nos trata como fornecedores desqualificados. Vitória da Conquista vai ter o desprazer de servir de cenário para uma claque formada por abutres. O governador da Bahia e a filha do homenageado anunciaram que não vão comparecer.

4. Abutre é o nome vulgar dado às aves accipitriformes, da família accipitridae, de hábitos necrófagos, conhecidas também como abutres-do-velho-mundo. Os abutres assemelham-se exteriormente aos urubus, os abutres do novo mundo, e têm pouca habilidade para caçar, preferem se alimentar de carcaças e de restos alheios.

5. A trupe tem medo, e o ambiente da cerimônia será cercado por tapumes para que o povo fique distante, para que os verborrágicos não sejam obrigados a olhar de frente àqueles a quem ofendem. Os jagunços que farão a proteção talvez imaginem que possam afrontar os nordestinos, contudo, mais fortes são os poderes do povo.

- Eu não me entrego, não!
Não me entrego ao tenente
Não me entrego ao capitão
Eu me entrego só na morte
De parabelo na mão
- Se entrega, Corisco!
- Eu não me entrego, não!
(Mais forte são os poderes do povo!)

Perseguição - Letra de Glauber Rocha, e música de Sérgio Ricardo.

Confira todas as colunas:
Diário Não Oficial do Brasil