Página inicial > BRASIL > Pastorais e povos e comunidades tradicionais discutem as mudanças climáticas (...)

Pastorais e povos e comunidades tradicionais discutem as mudanças climáticas em Seminário Regional

sexta-feira 9 de agosto de 2019, por Cáritas Regional NE3,

É preciso mudar o sistema, não o clima! É preciso resistir para existir!

Imagem: Cáritas (http://ne3.caritas.org.br/carta-seminario-regional-mudancas-climaticas/)

Cerca de 80 representantes das Pastorais Sociais, Povos Indígenas, Quilombolas, Ribeirinhos, Pescadores e Pescadoras, Moradores de Rua, Movimentos Populares, Entidades do campo e da cidade, professores e estudantes se reuniram na última semana de julho, no Convento São Francisco em Salvador-BA (26-27/07). Eles participaram do Seminário Regional: “Mudanças climáticas – impactos e reações das populações da Bahia e Sergipe”.

Durante o Seminário foram realizadas discussões sobre os impactos ambientais, econômicos, políticos e sociais do modelo de desenvolvimento predatório sobre as comunidades. Além disso, o encontro proporcionou espaço de troca de experiências e de formação; planejamento de ações conjuntas e fortalecimento das ações do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social da Bahia e Sergipe.

Ao final foi publicada carta com as preocupações dos movimentos. Nela destacou-se a necessidade de revisitar as práticas de enfrentamento e resistência com vistas a construção de um novo projeto de sociedade para o Brasil que queremos; onde a Terra Mãe é referência maior, respeitando seus direitos.

O Seminário foi promovido pelas Pastorais do Campo do Regional Nordeste 3 da CNBB (CPT, CIMI, CPP, Cáritas) e a Rede Jubileu Sul Brasil, com apoio da Coordenadoria Ecumênica de Serviço – CESE.

É preciso mudar o sistema, não o clima!
É preciso resistir para existir!

Fonte: http://ne3.caritas.org.br/carta-seminario-regional-mudancas-climaticas/

Semana do Clima (Climate Week) regional da América Latina e Caribe

A Semana ocorre antes da Conferência das Partes do Clima, que ocorrerá no Chile após desistência do Brasil em sediá-lo. Mesmo não sendo um evento preparatório, porque tem foco em trocas de experiências e também em negócios do setor privado relacionados ao clima, a participação da sociedade civil deve organizar suas próprias agendas e dar-lhes visibilidade no processo da conferência global.

Nos dois primeiros dias (19 e 20), o evento é fechado. Já nas datas seguintes (21, 22 e 23) está prevista a participação de autoridades, e as atividades serão abertas ao público.

A Ciranda participará da cobertura do evento, em iniciativa parceira do i17 com a TV Kirimuré, de Salvador, Instituto Hori, de audiovisual, o grupo Chave Tecnológica, e coletivo Mil Baianas em Salvador. Para a cobertura, o i17 e parceiras lançarão um blog na semana anterior à conferência.

Acompanhe todas as notas da Ciranda sobre a Semana do Clima aqui

Para inscrever-se na Semana do Clima, acesse: https://www.regionalclimateweeks.org/


confira a Carta Final do seminário regional "Mudanças climáticas – impactos e reações das populações da Bahia e Sergipeâ€

PDF - 1.8 MB