Página inicial > BRASIL > Dia 232/365 - Crônicas de destruição e fogo

Dia 232/365 - Crônicas de destruição e fogo

terça-feira 20 de agosto de 2019, por Fátima Froes,

500 dias da prisão política do Presidente Lula. 232 dias do síndico disfuncional no Palácio do Planalto. Riquezas nacionais estão sendo queimadas em ritmo acelerado. Quintuplicou o número de jovens negros assassinados no Rio de Janeiro e o governador comemorou.

Imagem: comitê lula livre https://lulalivre.org.br/

PNG - 44.9 KB

1. 500 dias da prisão política do Presidente Luís Inácio Lula da Silva. O processo que os juristas chamam de aberração jurídica continua em curso, como se tivesse algum grau de coerência. O país sendo incendiado e até a ideia de país sendo destruída.

2. Nos 232 dias em que está no planalto, catapultado pela prisão do candidato Luís Inácio Lula da Silva, o síndico disfuncional amplia, a cada dia, o grau de destruição. É sem precedentes. Não gera empregos, amplia a desigualdade, destrói mercados, e aplica sem pudor sua versão do lema família acima de tudo. É isso mesmo, a bolsocracia vem com esposa e filhos, tios e parentes. Todas as normas do país podem ser subvertidas se a família for contrariada. Vale para deslizes menores, como multa de trânsito ou multa ambiental, a crimes mais graves, como o caso de Itaipu ou dos imóveis não explicados.

3. Se o COAF descobre algo sobre o bolsofilho, acaba-se o COAF, a receita, a polícia federal, ou qualquer coisa que possa estar no caminho. Se a família acumula multas de trânsito, acaba com as regras de trânsito, se é pego pescando ilegalmente em uma Unidade de Conservação, exonera o fiscal e promete acabar com a área de preservação ambiental. Enquanto isso seus seguidores continuam afirmando a moral ilibada do ex-capitão, porque o que vale mesmo é manter uma narrativa desconectada de qualquer realidade ou análise.

4. Parte da imprensa corporativa finge que é oposição, enquanto continua travestindo os fatos, porque afinal os interesses do capital financeiro, a que estão ligadas, vão muito bem, obrigada. Preferem ridicularizar o comportamento a avaliar a política e suas consequências.

5. Mas as consequências existem, e ontem o dito centro financeiro do país, se é que cabe esse conceito nesse mundo virtual, ficou irrespirável. Os helicópteros não puderam circular na cidade de São Paulo, obrigando os CEO a descerem ao chão. A fumaça das queimadas na região da Amazônia impôs a sua realidade concreta e apagou a capital paulista. De acordo com o jornal El País, depois da onda de queimadas no governo do golpista temer, esta é a maior registrada.

6. As maiores riquezas nacionais: o pré-sal, a Amazônia, as reservas monetárias e os centros de excelência em pesquisa, ensino e extensão das Universidades Públicas estão sendo queimados. A terra plana arrasada é um projeto. O alucinado rasga dinheiro, dos outros, é claro, porque o da família, Queiroz garante.

7. Hoje, um rapaz negro de 20 anos, supostamente com uma arma de brinquedo e aparentando estar desorientado, foi abatido no Rio de Janeiro. A morte foi comemorada nas redes sociais pelo governador que fez quintuplicar o número de jovens negros mortos no estado. Que se tenha registro a polícia do Rio de Janeiro matou 881 pessoas em seis meses, de acordo com o site de notícias UOL nenhuma em área de milícia. Um dos lemas dos governos estadual e federal é: “bandido bom é bandido morto”. O conceito de bandido é flexibilizado pelo grau de parentesco.
E continuamos em luta por um país livre e Lula Livre!!

Confira todas as colunas:
# Diário Não Oficial do Brasil