Página inicial > BRASIL > Justiça, mais uma vez, absolve Carmem da Silva Ferreira

Justiça, mais uma vez, absolve Carmem da Silva Ferreira

sábado 31 de agosto de 2019, por Ciranda.net, Tatiana Scalco - Ciranda Bahia,

Defesa do Movimento de Moradia demonstrou que ação de Carmen da Silva Ferreira - mãe de Preta Ferreira - é legítima.

foto: Jardiel Carvalho/Divulgação https://lulalivre.org.br/justica-in...

Na última quarta-feira (28.08), a 12º Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a absolvição de Carmem da Silva Ferreira, líder do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC). Carmem havia sido acusada de extorquir os moradores da ocupação do antigo Hotel Cambridge, em razão da cobrança de contribuições coletivas. A denúncia foi assinada pelo Promotor do Ministério Público de São Paulo José Reinaldo Guimarães Carneiro.

Em janeiro, o Juiz da 26ª Vara Criminal de São Paulo – Marcos Vieira de Moraes havia absolvido Carmen. Em sua sentença, ele concluiu que o MP não havia comprovado a acusação de extorsão. A defesa de Carmem Silva Ferreira demonstrou que as contribuições cobradas aos moradores das ocupações são essenciais para a manutenção dos prédios. O rateio é utilizado para reformas, limpeza, dedetização, manutenção elétrica e hidráulica, pagamento das contas de luz e água. No entendimento dos defensores de Cármen, Ariel de Castro Alves e Lúcio França, o promotor queria criminalizar os movimentos de moradia a qualquer custo.

O MP recorreu à Segunda Instância. O caso foi para a relatoria do desembargador Paulo Rossi. O Procurador de Justiça Maurício Ribeiro Lopes defendeu a manutenção da absolvição, afirmando que a criminalização de movimentos sociais merece repúdio. Também participaram do julgamento da apelação os desembargadores Amable Lopes Soto e João Morenghi. Os votos de Rossi e Morenghi foram pela absolvição. Amable ainda não apresentou seu voto.

Carmen Silva Ferreira, coordenadora do MSTC

Carmem Silva, 59 anos, baiana, retirante, coordenadora do MSTC, já morou na rua em São Paulo. Em sua militância junto com a Frente de Luta por Moradia, se articula com outros 9 movimentos. Ao todo são quase 30 mil pessoas. Ela também foi coordenadora do Conselho Participativo da região da Sé em São Paulo, por dois biênios. Hoje é conselheira municipal e estadual de habitação e das políticas públicas para mulheres.
Carmem é mãe de Sydnei e Preta Ferreira, presos sob as mesmas acusações de extorsão desde 24 de junho deste ano.

O MTSC
O Movimento sem teto do Centro (MSTC) foi fundado em 2001, em São Paulo/SP. Ele atua mobilizando e organizando famílias sem teto que lutam por moradia digna. Atualmente são 10 prédios ocupados pelo MSTC em São Paulo. Neles moram trabalhadores de baixa renda, crianças, jovens, adultos, idosos, imigrantes, refugiados. Juntos eles transformam locais abandonados, depredados e sem função social em lares, organizados e com capacidade residencial e produtiva. As ocupações têm gestão compartilhada. Nelas também são desenvolvidas ações em educação, cultura, formação política, ambiental e esportiva. A intenção é que os moradores possam ocupar, resistir e se empoderar socialmente.


foto: Divulgação http://vaidape.com.br/2017/03/era-o...

A ocupação do Hotel Cambridge
A ocupação do Hotel Cambridge aconteceu em 22 de novembro de 2012. O prédio estava abandonado havia 10 anos. Degradado, repleto de sujeira e entulhos, não tinha condições de habitabilidade. Foram retiradas 15 toneladas de lixo (quase 60 caminhões). Hoje a limpeza é realizada pelos moradores. Moram 168 famílias, entre elas imigrantes e refugiados.

A ocupação do Cambridge virou filme

Foto: Divulgação http://www.portalstylo.com.br/notic...

“Era uma vez Cambridge” é o filme que retrata a história de moradores sem-teto que ocupam este prédio abandonado em São Paulo e vivem diante da ameaça de despejo pelas forças do Estado. Dirigido por Eliana Caffé, foi lançado em 2017 e ficou 30 semanas em cartaz . A película mescla atores com personagens reais (como Carmem, que interpretou a sim mesma).
Para ver o trailler do filme

fontes: Brasil de Fato, Vai dá Pé, Comitê Lula Livre