Página inicial > BRASIL > Hércules"de Eurípedes, ou o desprezo pelos tiranos

Hércules"de Eurípedes, ou o desprezo pelos tiranos

domingo 22 de setembro de 2019, por Carlos Russo Jr.,

Tiranos não conhecem limites e possuem a empáfia tradicional dos guerreiros aristocratas

ilustração: Heracles, Iolaus and the Hydra, Paestan black-figure hydra C6th B.C., The J. Paul Getty Museum https://www.theoi.com/Ther/DrakonHy...

O teatro de Eurípides, em seu maior momento, reflete a desestruturação social pela qual passa a polis e a democracia grega. Vinte e cinco séculos após, vivemos um momento de grande correlação histórica.

Tiranos não conhecem limites e possuem a empáfia tradicional dos guerreiros aristocratas, apesar de nada possuírem daquilo que os gregos denominavam de “aristoi”. “Na luta, o mais sábio é fazer mal aos inimigos sem escudar-se na tické, na sorte... O desejo tirano de matar é filho de sua própria covardia.”

A soberba e a brutalidade de Lico, o tirano, tenta impedir os velhos anciãos de se manifestem e os ameaça: “Recordeis que sois escravos de minha tirania”. Ordena, então, que tragam madeira e que queimem toda a família de Hércules no próprio altar de Zeus, onde haviam buscado guarita. Este é o princípio da tragédia denominada “Héracles”.

O autor transmite à polis a mensagem de que os tiranos são bárbaros, maus e tratam os homens como escravos. Não constituem solução para a decadência da democracia da pólis. O Coro dos anciãos tebanos responde à altura: “Não é sensata uma cidade pobre de rebeliões e de más decisões, ou jamais teria acolhido um déspota”.

No mundo euripidiano, reflexo do momento político e social de desagregação social, o caos, a incerteza, a instabilidade e imprevisibilidade da sorte se instalaram no universo que, outros antes dele, acreditavam unificado e harmonioso.

clique aqui para ler o ensaio: https://www.proust.com.br/post/h%C3...

Espaço Literário Marcel Proust
www.proust.com.br