Página inicial > BRASIL > Dia 296/365 - O terrorismo neoliberal

Dia 296/365 - O terrorismo neoliberal

quarta-feira 23 de outubro de 2019, por Fátima Froes,

O movimento ambientalista faz manifestação e denúncia na frente do Planalto. 17 manifestantes foram presos, e soltos três horas depois. Violência desnecessária, típica manifestação de força das milícias que ocupam o país.

Imagem: Gabriel Paiva https://fotospublicas.com/greenpeac...

PNG - 44.9 KB

1. O STF transforma a discussão sobre a prisão em segunda instância em um show. O debate se arrasta por horas e a decisão é adiada, com direito a manifestações e manobras inconstitucionais e imorais dos políticos do partido da lava jato. O que está em jogo é cumprir ou não cumprir a constituição. Ou engavetar para sempre, conforme o desejo do conge e dos parças.

2. Em alguns lugares o povo começa a reagir à tentativa do terrorismo neoliberal de matar todos os habitantes da América Latina. As manifestações crescem por todo o continente. No Equador a internet foi cortada pelo terrorismo do estado para que os manifestantes não sejam vistos pelo resto do país e do mundo. No Chile, o braço armado do estado é filmado cheirando cocaína antes de partir para atacar os manifestantes, e protagonizar cenas de abusos sexuais. Todos os terrores que já assaltaram a América Latina são revividos agora, filmados e transmitidos ao vivo.

3. Ainda sobre atos terroristas, as investigações comprovam que bolsonaristas capitalistas do agronegócio foram os responsáveis pelos eventos do "dia do fogo". Um policial federal revelou ao jornal Brasil de Fato que os fazendeiros responsáveis pelo ecocídio “teriam ligações estreitas com deputados e senadores do Pará”, além de “interlocução com o alto escalão do governo federal”.

4. De acordo com o blog da cidadania, o comandante da marinha, disse que está investigando as causas das machas de óleo. Segundo ele, a maior probabilidade é que o óleo tenha partido de um navio irregular. Um pesquisador da marinha levanta a possibilidade de um incidente em uma transferência de óleo em alto mar entre navios, ou um acidente não reportado, e não descarta um derramamento de óleo proposital, que configuraria ecoterrorismo.

5. Em Pernambuco a marinha expulsou voluntários da praia de Barra da Jangada, não para protegê-los da toxicidade do óleo, mas para poder encenar, para a imprensa, que trabalhava sozinha na limpeza. Assim o desgoverno fascista trata o nordeste, como cenário das suas mentiras em série.

6. O ministro do meio ambiente cobrou do Greenpeace uma atitude em relação ao trabalho dele, ministro, e disse que deveriam estar limpando as praias e o oceano. Como a inoperância do governo federal deixa claro que se trata de um caso gritante de racismo ambiental, ele resolve atacar o movimento ambientalista para tentar criar um inimigo comum em uma manobra diversionista. Ora, o movimento ambientalista foi fazer o que faz o movimento ambientalista. Manifestação e denúncia. Desta vez no Planalto, em frente ao palácio do senhor dos colares e das medalhas, onde espalhou, no chão, uma mistura não tóxica de tapioca, maizena e anilina, pra representar o óleo que se espalha pela costa do Nordeste. Foi o bastante para fazer o governo proto imperial usar o braço armado do estado para atacar, bater e prender. 17 manifestantes foram presos, e soltos três horas depois. Violência desnecessária, típica manifestação de força das milícias que ocupam o país.

Confira todas as colunas:
# Diário Não Oficial do Brasil