Página inicial > BRASIL > Dia 323/365 - Dólar a quatro e vinte

Dia 323/365 - Dólar a quatro e vinte

terça-feira 19 de novembro de 2019, por Fátima Froes,

Na véspera do Dia da Consciência Negra de 2019 deputado bolsonarista num ato de racismo destruiu uma placa da exposição "(Re)existir no Brasil: Trajetórias Negras Brasileiras". O quadro vandalizado apresentava “estatísticas de pessoas negras mortas neste país e uma ilustração de Latuff”

Imagem: Latuff

PNG - 44.9 KB

1. Dólar a quatro reais e vinte centavos. Sob a batuta do trio formado pelo síndico disfuncional, tchutchuca e o conge, seguimos no desgoverno rumo à borda da terra plana. O país afunda com a milícia no comando.

2. Um deputado bolsonarista, do ex-partido do ex-capitão, num ato explícito de racismo, destruiu uma placa da exposição "(Re)existir no Brasil: Trajetórias Negras Brasileiras". O quadro vandalizado pelo deputado, que atende pela alcunha de Coronel Tadeu, apresentava “estatísticas de pessoas negras mortas neste país e uma ilustração de Latuff” (Jornal GGN). O obscuro e violento deputado, integrante da polícia militar, ganhou um verbete na Wikipédia com o seu retrato: "Em sua vida política ficou mais conhecido por atos de intolerância. Na véspera do Dia da Consciência Negra de 2019 vandalizou uma exposição artística na Câmara de São Paulo que tratava do assunto" (Wikipédia).

3. Uma mulher, bolsonarista e cidadã de bem, de 46 anos, foi presa em um avião que carregava cerca de 30kg de pasta-base de cocaína ao fazer um pouso forçado em Elias Fausto, SP. De acordo com a polícia o valor do material traficado pode chegar a 2,4 milhões (Diário do Centro do Mundo).

4. O investigado bolsofilho senador pode vir a ser o novo presidente do novo partido (mais um! mais um!) do síndico disfuncional que ocupa o planalto.

5. O poder judiciário vai mostrando suas entranhas. Quatro desembargadores e dois juízes do Tribunal da Justiça da Bahia são alvos uma operação da polícia federal e do MPF denominada faroeste, que investiga um esquema de venda de sentenças e grilagem de terras (Jornal A Tarde). Mandar prender adversários políticos, combinar a cena com procuradoria, copiar e colar sentenças, chantagear empresários, grampear advogados de defesa, engavetar processos dos parças. O judiciário brasileiro está podre em muitas instâncias. Entre as pessoas investigadas na Bahia chama a atenção uma senhora que foi responsável pela absolvição instantânea de policiais militares envolvidos numa chacina.

6. A deputada Maria do Rosário (PT-RS) promoveu hoje ato para a doação, a sete instituições que atuam no combate à violência contra a mulheres e meninas, do valor da indenização que recebeu do ex-capitão e ex-deputado Jair Bolsonaro, condenado numa ação por danos morais movida pela parlamentar gaúcha (Diário do Centro do Mundo).

7. Eleito com e apesar do discurso racista e misógino, o síndico disfuncional tenta estrangular o nordeste com repasses diferenciados. O governo continua incapaz de medidas efetivas para conter o óleo que invade as praias nordestinas. São nove estados, 116 municípios e 643 localidades, incluindo ilhas e manguezais (R7). A câmara dos deputados vai instalar uma CPI do vazamento de óleo, para investigar a responsabilidade pelo crime ambiental e “avaliar as medidas que estão sendo tomadas pelos órgãos competentes”, porque não há respostas até agora. Milhares de pescadores artesanais estão sem o seu ganha-pão (Jornal A Tarde).

8. Os governadores do nordeste, que formaram um consórcio, partiram para a Europa para tentar fazer negócios diretamente, e driblar a violência do governo federal. Porque há resistência, de muitas formas.

Confira todas as colunas:
# Diário Não Oficial do Brasil