Página inicial > BRASIL > Dia 344/365 - o dia dos direitos humanos

Dia 344/365 - o dia dos direitos humanos

terça-feira 10 de dezembro de 2019, por Fátima Froes,

No dia internacional dos Direitos Humanos, o que faz o síndico disfuncional? Chama uma militante de 16 anos, internacionalmente festejada, de pirralha. Esta foi a resposta do país para uma garota que denuncia o genocídio indígena.

Imagem: Rio de Paz https://fotospublicas.com/dia-da-de...

PNG - 44.9 KB

1. No país do maior rebanho de gado do mundo, cuja criação é fator de pressão para o desmatamento, o povo continua sem comer carne. A ministra do agronegócio acha que essa proteína é coisa apenas para as castas superiores.

2. Hoje é o dia internacional dos Direitos Humanos, em que se debate e se avança na luta pelos direitos humanos em todo o mundo. Mas o que faz o síndico disfuncional? O síndico chama uma militante de 16 anos, internacionalmente festejada, de pirralha. Esta foi a resposta do país para uma garota que denuncia o genocídio indígena. A reação da garota, mais madura que o olavista ex-capitão, foi adotar o apelido no twitter (Carta Capital).

3. E, já que o Presidente Luís Inácio Lula da Silva está solto, o que faz a PF pífia do marreco de Maringá? Tenta prender o seu filho. A pirotecnia da PF não passou nem pela copista juíza Gabriela Hardt. O show, provavelmente, tinha a função de desviar a atenção do público movido a ódio dos embaraços do procurador powerpoint. Convenhamos, uma ação ridícula desse povo que não acha Queiroz (Jornal GGN).

4. O rapaz nada ilibado, o palestrante ambicioso e de limites flexíveis, responde a duas ações hoje no conselho do ministério público. O partido da lava jato e seus voos rasantes (Jornal GGN).

5. Mas nem tudo é derrota para o partido sem registro da lava jato. Seu mentor, o marreco, teve uma grande vitória hoje com o pacote anticrime sendo aprovado na CCJ do senado. Ironia perversa com números e datas, a votação na comissão acontece justo no dia dos Direitos Humanos (Revista Fórum).

6. A paralisação dos caminhoneiros está dividida. Um dos líderes que defende a paralisação diz ao jornal Brasil de Fato que tem recebido ameaças de morte. Diante da falta de condições de trabalho após o 11º aumento seguido do diesel, os caminhoneiros tentam se organizar, mesmo com essa divisão.

7. Com uma vida complicada nas estradas, vulneráveis às diversas abordagens violentas, os caminhoneiros receberam uma resposta absurda do governo federal: o ex-capitão libera a venda de bebidas alcóolicas nos pontos de parada dos caminhoneiros. Para problemas reais, drogas, porque o compromisso do governo não é com os trabalhadores. A embriaguez ao volante provocou neste ano do governo disfuncional 4.500 acidentes, 265 mortes e 1.187 feridos com gravidade (Jornal O Globo).

O dia dos Direitos Humanos...

Confira todas as colunas:
# Diário Não Oficial do Brasil