Página inicial > BRASIL > Dia 355/365 - Como água para chocolate, a lavagem quase perfeita.

Dia 355/365 - Como água para chocolate, a lavagem quase perfeita.

sábado 21 de dezembro de 2019, por Fátima Froes,

O partido da imprensa golpista descobre hoje: NOOOOSSSSA, ele não tem decoro! É grosseiro, vulgar, inconveniente, homofóbico, misógino, racista e um tanto histérico

Imagem: Pelicano https://www.humorpolitico.com.br/ta...

PNG - 44.9 KB

1. Lá vem o verão, o país ferve e grandes territórios já estão em cinzas.

2. O síndico que retrata muito claramente a nossa elite-trombadinha, é grosseiro, vulgar, inconveniente, homofóbico, misógino, racista e um tanto histérico. À imagem e semelhança dos seus financiadores.

3. O partido da imprensa golpista descobre hoje: NOOOOSSSSA, ele não tem decoro! E quando elogiou Ustra? E quando falou em estupro de uma deputada? E quando agrediu uma mulher pelas costas? E quando se referiu à população negra como medida em arrobas, animalizando? E quando disse que os filhos foram bem criados e não casariam com uma negra? A pauta escravocrata da elite que a imprensa corporativa representa foi aprovada ao custo de muitas vidas, e de muitas políticas públicas. Essas manchas de sangue estão nas mãos dessa elite e nas da imprensa alcoviteira.

4. Grosseirão como a elite que o elegeu, deseja um feliz natal precário, se vangloriando de ter tirado a carne da mesa dos brasileiros, enquanto seu filho é suspeito de lavar dinheiro em lojas de chocolate. O Ministério Público do Rio de Janeiro afirma que o bolsofilho senador lavou mais de 2 milhões entre imóveis e chocolates, enquanto marrecos leigos bem treinados, e empregados a serviço da bolsofamília, voltam a bater na mesma tecla vazia dos últimos dez anos e lançam ao vento uma perseguição ao filho de Lula para criar o espetáculo diversionista da vez.

5. E o Flamengo perdeu. Já pensou se ganha? Quanto custaria aos cofres públicos o populismo do síndico disfuncional? Da outra vez, após a decisão da Copa Libertadores, ele, que nunca se disse torcedor do flamengo, colocou um avião da Fab, ao custo estimado de 17 mil reais por hora de voo, para interceptar e escoltar o voo comercial que retornava com a equipe (The Intercept Brasil). Imagina agora. Mas, contingências do esporte, o Flamengo perdeu para o Liverpool, o time de uma cidade de tradição operária que tem um técnico socialista. Sejamos felizes.

Confira todas as colunas:
# Diário Não Oficial do Brasil