Página inicial > BRASIL > Dia 365/365 - Nosso arco-íris nunca será uma reta.

Dia 365/365 - Nosso arco-íris nunca será uma reta.

terça-feira 31 de dezembro de 2019, por Fátima Froes,

Enquanto você se distraia com os diversionismos, o país foi morrendo. A Ancine foi transformada num aparelho ideológico de fundamentalistas pseudocristãos e atropelou o direito à livre expressão. O sucateamento da educação foi prioridade. Retirada de direitos, precarização do trabalho, fim da aposentadoria e a pensão integral só para as castas de militares, juízes e políticos foram algumas das consequências.

Imagens: Edcarlos https://www.chargeonline.com.br/

PNG - 44.9 KB

No horóscopo que o guru olavista provavelmente prepararia para o síndico disfuncional este ano correspondeu ao ano da mamadeira de piroca, no calendário do horoscopista. Marcado pelas estapafúrdias interpretações da realidade, pelo ódio, pela mentira. Os elementos reinantes foram o fogo, nas queimadas do amazonas e nos 257 tiros do exército brasileiro, a água, entrando no signo da escassez, a terra, na lama de Brumadinho e naquela outra, simbólica, materializada no condomínio mais mafioso do país, e o ar tóxico da convivência com o sangue derramado de indígenas, de mulheres, de crianças, da população negra, e com a própria fantasia da mamadeira de piroca que, afinal, não foi encontrada. Na busca encontraram 117 fuzis enterrados no jardim da casa de um vizinho do presidente.

Enquanto você se distraia com os diversionismos, o país foi morrendo.

1. O ex-capitão vetou integralmente o projeto de lei que prorrogava incentivos ao cinema, transformou a Ancine num aparelho ideológico de fundamentalistas pseudocristãos e atropelou o direito à livre expressão. As distribuidoras americanas agradecem.

2. A autonomia universitária sofreu os mais diversos ataques durante todo o período. O sucateamento da educação foi a prioridade de ministros armados com mamadeira de piroca, que odeiam o conhecimento e tocam o projeto fascista de tentar impedir a investigação científica, a democratização do conhecimento e a formação do pensamento crítico.

3. A retirada de direitos, a precarização do trabalho, o fim da aposentadoria, a pensão integral só para as castas de militares, juízes e políticos. A naturalização das castas especiais enquanto o discurso para os tolos fala em combate às mamatas e o país é rifado para o capital internacional, livre de ônus legais e embalado para presente.

4. Foi decretado que meninas vestem rosa e meninos vestem azul, em um ambiente de pautas anti-mulher e anti-LGBTQI. Para completar, agora, no apagar das luzes, o ministro do meio ambiente está preocupado não com a Amazônia, que permitiu queimar, ou com o óleo nas praias do nordeste, mas com as roupas que as mulheres vão usar nas dependências do ministério. O controle sobre o corpo das mulheres parece ser a pauta fundamental.

5. O momento inaugural do governo apresentou a primeira-dama traduzindo em libras a fala do primeiro-conge. Gracinha. Mas o Benefício de Prestação Continuada foi restringido, a pensão continuada do Inss foi retirada, a prevenção ao Zika vírus foi descontinuada, a TV Escola e seus programas para deficientes auditivos acabaram, o conselho da pessoa deficiente foi extinto. Enfim, só há lugar para a deficiência de caráter.

Assim se encerra esse primeiro ano do governo sob o signo da mamadeira de piroca e sobre a terra plana. Mas, para os que sobreviveram, a luta continua, nosso arco-íris nunca será uma reta e todas as cores, assim como Lula, livres. Muitas batalhas nos esperam em 2020. Vamos a elas!

Confira todas as colunas:
# Diário Não Oficial do Brasil