Página inicial > BRASIL > Dia 63 (428) - Ano 2 - Quem nasceu para olavete nunca chega a (...)

Dia 63 (428) - Ano 2 - Quem nasceu para olavete nunca chega a Piketty

terça-feira 3 de março de 2020, por Fátima Froes,

“não existe explicação humanitária para um cidadão ter 100 bilhões de dólares na sua conta e 100 milhões de pessoas não terem o que comer” - Lula

Imagem: Ricardo Stukert

PNG - 44.9 KB

1. Quem nasceu para olavete nunca chega a Piketty. O Presidente Luís Inácio Lula da Silva se encontrou com o economista Thomas PIketty, hoje, na França, para debater saídas para o combate à desigualdade no mundo.

2. Piketty é autor do livro "O Capital no Século XXI" e coordena um laboratório que busca saídas para a desigualdade, como uma questão política fundamental para o momento contemporâneo. Convidado a apresentar a experiência brasileira no combate à miséria Lula ponderou que "nós temos que expor a desigualdade como um problema político, uma questão de dignidade humana. Não haverá diminuição da desigualdade se a gente não mexer no coração da riqueza". Ao final do encontro na Escola de Economia de Paris, se falou desse ser o início “de uma longa colaboração para aprofundar o debate sobre a desigualdade no Brasil e no mundo” (UOL).

3. Ajudar a criar indignação diante da concentração de renda no mundo, essa é uma tarefa política fundamental. Pesquisadores da desigualdade em todo o mundo participam do encontro em Paris. Segundo Lula, “não existe explicação humanitária para um cidadão ter 100 bilhões de dólares na sua conta e 100 milhões de pessoas não terem o que comer”. E afirmou: “não sei quanto tempo vou viver. Mas se eu puder quero ajudar a criar indignação com a concentração de renda no mundo” (DCM).
Humanidade, senhoras e senhores, humanidade.

  1. Confira todas as colunas:

Diário Não Oficial do Brasil