Página inicial > BRASIL > Dia 84 (449) - Ano 2 - Agente funerário

Dia 84 (449) - Ano 2 - Agente funerário

terça-feira 24 de março de 2020, por Fátima Froes,

Aquele que está no poder é negociante da morte: prioriza vender coisas, colocando seus negócios pequenos à frente de qualquer vida

Imagem: Fred

PNG - 44.9 KB

1. Em 1999 um auxiliar de enfermagem da cidade do Rio de Janeiro, foi preso acusado de matar doentes numa UTI. A princípio ele disse que cometia o crime por pena, para não prolongar a agonia dos pacientes. Ele confessou ter matado 04 pacientes e era suspeito na morte de mais 127 pacientes. Foi descoberto que ele matava para vender os serviços de funerárias e receber comissão das empresas. Ficou conhecido como "o anjo da morte". Matava com injeções de cloreto de potássio ou desligamento dos aparelhos respiratórios. O cloreto de potássio paralisa os pulmões e o diafragma, cessando a respiração. A injeção de cloreto é utilizada para matar prisioneiros em países que adotam legalmente a pena de morte.

2. O auxiliar de enfermagem foi condenado a 76 anos de prisão pela morte dos 04 pacientes. O jornal O Globo transcreve parte da sentença em que o juiz, se referindo ao réu: "merece intensa reprovação pelo ato e por demonstrar total desvalor à vida humana e sangue frio".

3. O auxiliar de enfermagem não foi considerado um psicopata, um serial killer, ou qualquer outra categorização de doença mental. Ele foi considerado um criminoso, negociante da morte, que se aproveitava do mínimo acesso que tinha às pessoas. O especulado é que para cada cadáver entregue à funerária o criminoso receberia a gorjeta de 100,00, cem reais. Era o que valia a vida de cada uma daquelas talvez 127, quem sabe muito mais pessoas, nunca saberemos.

4. Este perfil de pessoas chegou ao poder. A que prioriza vender coisas, colocando seus negócios pequenos à frente de qualquer vida. Aqueles que querem manter escolas e shoppings abertos, porque “a economia não pode parar em função de umas cinco ou sete mil mortes de idosos”, força de trabalho já usada, descartável. Tem os que vendem as mães alheias para continuar a comercializar hambúrgueres, prato feito e quinquilharias. E tem aqueles que tentam confiscar respiradores comprados para dar suporte ao esforço pela vida de cidadãos no Nordeste (Diário de Pernambuco). Todas as formas de asfixia e morte concretizando a necropolítica sob a batuta da caneta bic dos matadores de aluguel, que não têm, nem nunca tiveram, nesses 449 dias, projeto para a economia. Somos apenas um grande território a ser exaurido e devastado. Tudo muito bem calculado.

Como diz o povo Xavante: Ai´wató´bro´Bolsonaro!! #Fora Bolsonaro!!
#BolsonaroGenocida!!

  1. Confira todas as colunas:

Diário Não Oficial do Brasil