Página inicial > BRASIL > Dia 113 (477) - Ano 2 - sobre milícias, privatarias e mortes

Dia 113 (477) - Ano 2 - sobre milícias, privatarias e mortes

quarta-feira 22 de abril de 2020, por Fátima Froes,

Oficialmente estamos chegando a 3.000 mortos por covid-19. A ação coordenada das milícias recomendando a quebra do isolamento estimula esse resultado.

Imagem: Eder

PNG - 44.9 KB

1. Ora, direis, vamos descobrir o Brasil. A chegada dos portugueses ao país, a invasão europeia, ao invés de ser comemorada deveria antes ser um momento de reflexão acerca da expansão dos negócios europeus e da nossa constituição como um país que inicia a sua história no mundo ocidental sob a batuta da brutalidade. Ao completarmos 520 anos da chegada dos primeiros exploradores europeus, é oportuno refletir sobre esse momento de ataque fascista que vivemos e quais interesses ele representa.

2. O príncipe da privataria tucana, o sopa de letrinhas, pede paciência histórica com o genocida (Jornal Brasil 247). Seus interesses seguem, ainda, plenamente satisfeitos. Comprometido com desmontes e privatizações teve, na primeira hora do golpe em 2016, seu ex-ministro desmontador geral da república indicado para o desmonte da Petrobrás, e parece vislumbrar a possibilidade de mais dividendos e lucros a serem auferidos do aprofundamento do projeto bolsofascista.

3. Em mais uma vitória para a população do Maranhão, o governo federal teve frustrado o ataque em que buscava impedir a entrega de 68 respiradores mecânicos adquiridos pelo estado que elegeu um governador comunista. Os equipamentos que o governo federal queria confiscar, para distribuir segundo os seus “critérios”, serão entregues ao comprador (Jornal Brasil 247).

4. Oficialmente estamos chegando a 3.000 mortos por covid-19, e a ação coordenada das milícias, tanto do planalto, como as da baixada fluminense, têm participação direta na quebra do isolamento que estimula esse resultado (Diário do Centro do Mundo).

  1. Confira todas as colunas:

Diário Não Oficial do Brasil