Página inicial > FSM WSF > FSM 2010 WSF > 10 anos de FSM

10 anos de FSM

segunda-feira 21 de dezembro de 2009, por Rita Freire, Rita Freire

Todas as versões desta matéria: [English] [Português]

A vontade brasileira de demarcar, em Porto Alegre, a passagem dos 10 anos do Fórum Social Mundial já em 2010, quando se completam 10 janeiros anti-Davos, ajudou a inspirar o formato que o processo terá a partir desse ano. Começará na capital gaúcha, com um balanço político do FSM na virada de década e seguirá por uma trilha de Fóruns, de evento e evento, rumo à África.

Contados de outra forma, os 10 anos de vida do FSM, nascido em 2001, levam a festa de aniversário para janeiro de 2011, na cidade Dacar, onde está programada a próxima edição mundial. Ela concretizará no Senegal a vontade africana de organizar novamente um FSM no continente.

Entre um evento e outro, o FSM terá a jornada mais longa de sua história. A diversidade de encontros já agendados pelo mundo nesse intervalo não foi pensada para celebrar, mas para participar de uma edição histórica do Fórum em movimento, acrescentando contribuições de processos e culturas distintas para um futuro que comporte saídas para as várias crises que agora se sobrepõem, a financeira, a ambiental, a energética, a alimentar, a de modelos de sociedade ou mesmo uma só crise civilizatória.

A agenda capaz de conectar em um ano atividades por toda América com eventos no Oriente Médio, intercalados a outros na Europa, na Ásia ou na África demonstra que o Fórum Social Mundial se “mundializou” de fato nesses dez anos e continua se alargando. Desde que saiu de Porto Alegre para realizar-se em Mumbai, em 2004, já teve edições em Caracas, Bamako e Karachi (na edição policêntrica de 2006), além de Nairóbi, em 2007. Experimentou um dia de Ação Global em 2008 e uma edição mundial em Belém, na Amazônia, em 2009.

Se os eventos mundiais demarcam a continuidade do processo FSM, são especialmente os continentais, nacionais e locais que antecipam sua ampliação e diversidade. Antes de Mumbai, a Ásia realizou seu primeiro Fórum continental em Hyderabad.Antes de Nairobi houve Bamako e Fóruns Sociais regionais na África. Antes de Belém 2009, os Fóruns Sociais Pan-Amazônicos.

Para integrantes do Grupo Brasileiro de Reflexão e Apoio ao Processo FSM, formado por ativistas do Fórum desde sua formação, o FSM foi incorporando, por onde passou, novas temáticas e reflexões, sem perder seu pluralismo e conseguiu construir de forma colaborativa uma agenda política “vigorosa, inovadora e indispensável para enfrentar os dilemas de civilização do mundo em que vivemos”.

Mundializado e diverso

Quando o FSM nasceu, advogando por um Outro Mundo Possível, atraía idéias mobilizadoras contra o que foi chamado de pensamento único. Surgiu reunindo vozes contra as patentes, enquanto a África era flagelada pela Aids. Seus participantes encampavam as lutas pela terra e o acesso aos bens comuns da humanidade, e o mundo se armava na disputa por negócios com água e petróleo. Exibia experiências singelas de economia solidária em tempos dominados pela ditadura das finanças globais. Defendia o ir e vir de pessoas barradas por fronteiras que no entanto se escancaravam para o livre transitar de mercadorias

O pensamento único que o FSM ajudou a quebrar se reproduzia em todas estruturas hegemônicas de dominação, mas particularmente aquelas armadas para promover e comandar a globalização neoliberal: o Fórum Econômico de Davos, as reuniões da OMC, os encontros do G8. Sintetizava a cultura branca, patriarcal, imperialista, machista, racista, homofóbica e belicista que orientava e orienta as relações de poder predominantes.

O FSM foi, em contraste, uma convocatória inédita à diversidade humana - cultural, geográfica, étnica, de gênero - a debater seu futuro conjuntamente, sob uma perspectiva de sociedade civil mundial horizontalmente mobilizada, ampla o bastante para abranger povos e comunidades, movimentos sociais e populares, organizações e redes. Outro Mundo Possível já seria esse, diverso e mobilizado pela tarefa de se recriar

O que estaria em discussão nos anos seguintes, e não deixou de ser discutido até hoje, era o próprio papel do Fórum nessa recriação, se deveria ou não ser algo mais do que o espaço de encontro e de articulações entre experiências e propostas para um mundo melhor. O FSM se manteve como tal. Também o modo de interagir com governos e partidos identificados com objetivos do FSM ainda hoje é um tema que instiga debates. Mas nunca sua afirmação utópica de que um outro mundo é possível e está em processo foi posta em dúvida, em que pesem as turbulências que cercaram o Fórum nesses dez anos de vida.

O mundo mais cruel

A última década foi perversa contra as chances de se derrubar em curto prazo, com idéias e pactos coletivos de resistência, os totens da globalização em vigor, principal aposta do nascente movimento altermundista que conseguira fazer estremecer a OMC em Seattle, em 1999. O terror antecipou-se aos sonhos de mudança criativa. Menos de um ano após o nascimento do FSM, ruiam as torres gêmeas por ações terroristas, e os atentados do 11 de Setembro deram novo verniz aos argumentos para o controle do mundo pelas armas, a supremacia ocidental e o poder econômico das empresas transnacionais.

Guerras sem sentido e xenofobias de todo tipo foram apoiadas na propagação do medo e fizeram do FSM um espelho da resistência aos terrorismos de Estado usados contra o terror. Um chamado feito no Fórum pela Assembléia dos Movimentos sociais levou milhões às ruas contra a invasão do Iraque, em março de 2003. O universo FSM prosseguiu firme desafiando Davos, OMC, G8. Mas o inimigo, desconhecendo limites, estava ainda mais feroz.

O FSM também foi uma caixa de ressonância à constatação de que os recursos naturais do planeta minguavam na mesma velocidade de um aquecimento global já em curso. Tsunamis, furacões, polos derretidos, oceanos ácidificados. Tudo esse assombro em doses catastróficas concorreu com as esperanças de jovens ativistas que saiam às ruas e se reuniam nos Fóruns para mudar o mundo. Herdaram missões quase impossíveis e no entanto incontornáveis: frear o consumismo que se transformou em “modo de vida” no ocidente, mudar a matriz energética sobre a qual toda a globalização se move, alterar a relação entre seres humanos e o planeta, o cotidiano e o conceito de viver bem. Foi um dos motivos para se aprovar que, em 2009, o FSM fosse realizado na Amazônia, em Belém do Pará, para um contato direto de seus integrantes com as vozes dos povos da floresta, que esbanjaram lições sobre o Bom Viver mas pouco podem sozinhos contra a devastação de seu habitat.

Esse conjunto de crises somado à explosão da crise financeira mundial, que escancarou os limites do modelo econômico, determinou a agenda múltipla que o FSM hoje se coloca

O poder das ruas e da comunicação

O FSM tem sido particularmente importante para o Brasil e para a América Latina, por ter nascido aqui e contribuido, com propostas, mobilizações e redes de resistência, para a mudança da vida política na região. Sua história testemunhou importantes vitórias da sociedade contra as opções de governo impostas pelo poder econômico e as elites no continente. Foi assim com a chegada de Lula à presidência do Brasil e sua reeleição, com a recondução de Hugo Chavez ao governo da Venezuela, depois do golpe, e a vitória do cocaleiro Evo Morales para o governo do Bolívia. Aos poucos a região foi sentindo mudar sua correlação de forças e seus governos, a ponto de não mais reconhecer lideranças golpistas, como no recente caso de Honduras.

Ainda que governos não sejam parte do FSM, preservada sua autonomia de espaço da sociedade civil, todos estes acontecimentos mobilizaram seus integrantes nas ruas e campanhas e repercutiram nas edições do Fórum no Brasil. Foram também vitórias das novas formas de comunicação encampadas pelos seus ativistas, midias e movimentos contra a hegemonia dos grandes meios de comunicação que estiveram ativos em todos esses momentos, defendendo interesses do poder político e econômico que os controla. Muito da resistência a esses aparatos se deu por meio das radios comunitárias e também do uso de recursos midiáticos mais acessíveis como a internet e ferramentas audiovisuais para a produção coletiva e compartilhada de atividades midiáticas, práticas que são caras ao FSM desde a sua primeira edição.

Se no mundo a comunicação entre pessoas foi facilitada na última década pelo acesso às novas tecnologias, no Fórum Social, e em particular na América Latina, as possibilidades colaborativas se transformaram em ferramentas deliberadamente compartilhadas como exercícios de resistência política e social.

Uma agenda aberta para 2010

Aperfeiçoar o FSM como espaço aberto ao encontro e articulação de alternativas, nos seus territórios planetários, geográficos ou virtuais, pode ser a tarefa da década que virá. Por isso alguns fóruns serão focados em determinados aspectos das crises mundiais e precisarão conectar-se, com práticas de comunicação compartilhada, com outros fóruns, outros temas, outras reflexões.

Como exemplo, em Detroit, um II Fórum Social dos Estados Unidos debaterá saídas não capitalistas para a crise econômica, do ponto de vista de quem nunca foi incluído nas riquezas acumuladas pelo império, mesmo vivendo nele. Esse Fórum regional teve início em Atlanta em 2008, após os desastres do furacão Katrina e o abandono de suas vítimas quase à própria sorte, vítimas de um modelo de país que não se ocupa em socorrer igualmente a todos os seus.

Na Palestina, outro exemplo, o Fórum Mundial de Educação debaterá a formação das gerações que nasceram cercadas por guerras e muros e que tem nas mãos a tarefa de concretizar um mundo livre de invasões e ocupações. Será um acontecimento novo, especialmente porque pretende levar o espaço livre, rebelde e aberto do FSM para dentro das cercas erguidas e controladas por Israel. A ousadia de hoje é produto de esforços anteriores pela expansão do fórum pelo mundo árabe.

Só no Brasil, haverá pelo menos três fóruns em 2010, com vocações distintas: Em Porto Alegre e cidades do entorno, o evento se guiará especialmente pelo debate da história e perspectivas de seu processo. Em Salvador, na Bahia, a mais negra das cidades brasileiras, participantes querem debater o processo rumo a Dacar a partir de sua identidade como parte da África na diáspora. E em Santarém, no Pará , organizações, comunidades e movimentos do Equador, Colômbia, Peru, Bolívia, Venezuela, Suriname, Guiana, Guiana Francesa e Brasilvão se debruçar em propostas para proteger recursos da natureza, territórios e culturas tradicionais durante seu V Fórum Social Pan-Amazônico

Ampliando processos regionais, haverá fóruns se descolando pelos continentes onde as edições anuais já se tornaram tradição: o Europeu, que passou pela Italia, França, Londres, Grécia e Suécia, vai para a Turquia, o das Américas, que já percorreu Equador, Venezuela e Guatemala, segue para agora ao Paraguai.

A agenda rumo à Africa continua aberta, incluindo propostas ousadas como a de um Fórum sobre a Crise de Civilização e outras de delicada construção, como a de indianos e paquistaneses que querem fazer um fórum no Nepal

Rita Freire é jornalista e representa a Ciranda Internacional de Informação Independente na Comissão de Comunicação do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial


Ver online : Teoria e Debate

Portfólio